Como criar galinhas poedeiras

Atualizado: 26 de abr. de 2021


Raças de galinhas autóctones Portuguesas


A Direção-geral de Veterinária (DGV) reconhece 4 raças de galinhas portuguesas: A branca, a amarela, a pedrês portuguesa e a preta portuguesa.

São raças de aptidão mista, criadas essencialmente com vista à produção de ovos e de carne. de elevada qualidade. Poderão ser criadas em regime extensivo, ao ar livre e capoeiras. Em Modo de Produção Biológico (MPB) as aves não poderão ser criadas exclusivamente em capoeiras, tendo de ter obrigatoriamente acesso ao ar livre quando as condições meteorológicas o permitam, mesmo que apenas 1/3 do dia,


Bem-estar das galinhas


O bem-estar das galinhas depende de vários aspetos, desde logo pela boa conceção e manutenção do galinheiro, por uma alimentação adequada e pelos cuidados de higiene e fitossanitários apropriados.

A produção de ovos também está condicionada pelo ambiente onde se encontram e pelos cuidados a que estão sujeitas.


Algumas dicas e cuidados que deve ter em conta:

  1. Garanta um espaço e ambiente devidamente higienizado e limpo (limpar, pelo menos, uma vez por mês). Deverá fazê-lo com produtos designados como virucidas e bactericidas autorizados pelo anexo VII do regulamento (UE) 2018/217;

  2. O galinheiro deve ter uma cama de aparas de madeira para absorção dos excrementos. Em sua alternativa poderá utilizar-se palha, areia ou turfa. Desta forma mantem-se a secagem do espaço. A cama deve ser renovada com mais ou menos regularidade, em função do número de galinhas;

  3. A limpeza dos bebedouros e comedouros, deve ser regular e com os produtos indicados. Assim, evita a acumulação de bactérias indesejadas;

  4. Os bebedouros deverão conter sempre água disponível e limpa. Sendo que a renovação da água deve ser diária;

  5. Ao renovar a alimentação, evite deixar restos no comedouro. Pois estes fermentam e promovem uma aceleração na degradação e qualidade da alimentação;

  6. Evite o excesso de galinhas no galinheiro, tendo em conta a capacidade que dispõe. Em MPB, estão definidas as áreas e poleiros mínimos por animal:

  7. Espaço Interior: Máximo de 6 aves por m2. Cada galinha tem de ter acesso a espaço em poleiro de pelo menos 18 cm.

  8. Parque exterior: O parque exterior deve ter 4 m2 disponíveis por cabeça, estando limitado a 230 galinhas por hectare. Garanta que o parque tenha vegetação suficiente, acesso a bebedouros e solo com boa drenagem;

  9. As galinhas poedeiras devem dispor de uma zona própria para a postura. Deste modo evita-se que os ovos fiquem desprotegidos (existem galinheiros já com abrigos de posturas integrados ou podem ser adquiridos à parte). Pode optar-se por ninhos individuais ou coletivos. No caso de ninhos comuns, estes terão de garantir um espaço mínimo de 120 cm2 por ave, com uma capacidade máxima de de 7 galinhas por ninho.

  10. Garanta que o galinheiro é colocado numa área, que adquira sombra nas horas mais quentes do dia, ou que disponha de um telheiro de sombreamento;

  11. No inverno, mantenha uma “luz de presença” no galinheiro. Assim evitará que as galinhas interrompam o ciclo de postura. Todavia, esta luz artificial não deverá estar acesa mais de 16 horas, por forma a garantir um período de descanso de 8 horas/dia;

  12. Utilize preferencialmente vedações de madeira para dar um ar mais harmonioso.

  13. O corte de bicos ou guias é proibida em MPB.


A alimentação das galinhas poedeiras


Dependendo da raça, as galinhas poedeiras ficam, por norma, aptas para produzir ovos com regularidade, com cerca de 18 a 24 semanas de “idade”.

Assim para conseguir garantir que produzam ovos dentro dos “padrões normais”, deverá ter em atenção à alimentação e nutrientes que lhes fornece.

A base da alimentação das galinhas deverá basear-se em rações que contenham uma fórmula equilibrada, rica em minerais, proteínas e outros nutrientes.

Atenção, em modo de produção biológico (MPB) as rações terão necessariamente de ser biológicas, podendo encontra-las em algumas lojas de agricultura e pecuária, nomeadamente na Agriloja.

Proteínas

As proteínas são elemento essencial na alimentação das galinhas. No entanto, deverá garantir que não fornece quantidade excessiva.

A base da dieta das galinhas poedeiras deve ser constituída por grãos de cereais (milho, cevada ou trigo), leguminosas e forragens frescas ou secas. A percentagem de cereais deve ser pelo menos de 65% do total.

As rações com fórmulas específicas para galinhas poedeiras são as mais indicada, pois fornecem às galinhas a quantidade de proteína e nutrientes necessária à produção de ovos de qualidade.

O acesso ao ar livre possibilita um suplemento de insetos e minhocas, aumentando assim o consumo de proteína.

Adição de Minerais e Vitaminas

Para garantir os nutrientes fundamentais à produção de ovos saudáveis, é importante a adição de minerais, sobretudo cálcio e fósforo. Embora grande parte das rações contenham estes nutriente, poderá optar por suplementação extra.

A casca de ostra é uma ótima solução para a adição de cálcio na alimentação das galinhas.

O fornecimento de suplementos vitamínicos são também fundamentais.

O que evitar na alimentação das galinhas?

Ao contrário do que se possa pensar, a prática comum de fornecimento de restos de comida às galinhas, pode não ser assim tão aconselhável, pois existem alimentos que não são recomendáveis. Tenha em atenção o tipo e a quantidade de alimentos que lhes oferece. Apesar de quando ingeridos em pequenas quantidades não serem perigosos, o consumo excessivo de determinados alimentos pode ter consequências prejudiciais para a saúde e produtividade das galinhas.

Os seguintes alimentos devem ser evitados:

  • Abacate

  • Alho

  • Casca de batata

  • Cebola

  • Cítricos (laranja, lima, limão);

  • Feijão seco

Existem algumas exceções alimentares que se ingeridas em pequenas quantidades, podem contribuir positivamente para uma alimentação equilibrada, como, por exemplo, vegetais e cascas de frutas. No entanto, o fornecimento destes alimentos não deve ser feito em detrimento da ração para não causar desequilíbrios nutricionais.


Produtos alimentares proibidos em MPB

Convirá ainda recordar, que em MPB são proibidos os seguintes alimentos:

  • Organismos Geneticamente Modificados (OGM);

  • Promotores de crescimento ou outras substâncias químicas destinadas a aumentar o crescimento ou a produção;

  • Aditivos, conservantes, auxiliares tecnológicos que não estejam autorizados na listagem do regulamento (UE) 2021/181.


Benefícios do maneio ao ar-livre


A criação de poedeiras ao ar livre apresenta vantagens relativamente aos métodos de criação em gaiolas ou solo. Desde logo porque a possibilidade de movimentação em espaço aberto, permite liberdade e o contato direto com a natureza, o que contribui para o bem-estar geral das aves. Depois, porque permite a procura de suplemento alimentar, como ervas, vegetais, bagos, grãos, e ainda que escarifiquem a terra à procura de insetos, minhocas, entre outros. Permite também que as galinhas se espojem na terra, uma necessidade intrínseca das aves, No fundo, as galinhas de campo são mais "felizes", se assim podermos dizer; basta observar o ímpeto com que saem da capoeira logo que lhes é aberta a porta para o parque.



Se permitir que as suas galinhas poedeiras andem ao ar livre durante o dia, é importante que as recolha à noite. Poderá optar por soltá-las sem limites ou restringi-las a uma área limitada. Caso assim seja, é essencial uma vedação no perímetro do parque.

Em zonas em que as galinhas em maneio ao ar-livre possam estar potencialmente expostas a predadores, como doninhas, saca-rabos, aves de rapina, bem como às astutas raposas, as vedações, mesmo que altas, não são normalmente suficientes. Se for esse o caso, e por forma a impedir baixas recorrentes e importantes no efetivo, o mais aconselhável será vedar totalmente o parque com rede, também por cima, para que as poedeiras tenham acesso ao exterior e ao sol em segurança.


Cuidados fitossanitários


De forma a evitar o surgimento de patologias, para além dos cuidados já referidos no âmbito de limpeza, alimentação e maneio ao ar-livre, haverá que atender aos seguintes considerandos:

  1. As aves devem tomar as vacinas obrigatórias prescritas pelo veterinário e devem ser desparasitadas;

  2. Em MPB está proibida a administração de medicamentos alopáticos de síntese química. A fórmula dos remédios alopáticos possui um grau de toxicidade, especialmente os sintéticos, pelo que só podem ser usados quando autorizados por um veterinário, para tratamento de um animal individual e em respeito pelo regulamento europeu. Caso contrário poderá provocar diversos efeitos colaterais e acarretar sérios problemas ao organismo, nomeadamente intolerância aos princípios ativos, enfraquecendo o sistema imunológico.

  3. Em alternativa aos medicamentos alopáticos, podem ser utilizados tratamentos minerais, fitoterapêuticos e homeopáticos.

  4. Permitida a utilização de medicamentos veterinários imunológicos;

  5. Em caso de necessidade de controlo de pragas, recorrer a produtos autorizados pelo Anexo II do regulamento (UE) 2021/181

Fundamentos da pecuária biológica


Por último, é sempre bom relembrar os seguintes fundamentos gerais da produção animal em MPB:

- Produção de animais saudáveis;

- Respeitar o bem-estar animal;

- Promover o equilíbrio ambiental, a fertilidade dos solos e a biodiversidade;

- Limitar o uso de alimentos de síntese química.


Legislação MPB aplicável


A legislação de base que que regulamenta a produção vegetal e animal em MPB pode ser acedida no portal da DGADR https://www.dgadr.gov.pt/sustentavel/agricultura-e-producao-biologica


  • O Regulamento (UE) 2018/848 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 30 de maio de 2018, estabelece os requisitos de base bem como o quadro jurídico no que respeita à produção, à rotulagem e ao controlo dos produtos biológicos.

  • O Regulamento de Execução (UE) 2021/181 da Comissão, de 15 de fevereiro de 2021, que estabelece normas de execução do Regulamento (UE) 2018/848 para a produção vegetal e animal, desde o cultivo da terra e manutenção dos animais até à transformação, rotulagem e distribuição de alimentos biológicos, assim como para o sistema de controlo.

  • O Regulamento (UE) 2017/625 do Parlamento Europeu do Conselho de 15 de março de 2017 relativo aos controlos oficiais e outras atividades oficiais que visam assegurar a aplicação da legislação em matéria de géneros alimentícios e alimentos para animais e das regras sobre saúde e bem-estar animal, fitossanidade e produtos fitofarmacêuticos




23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo